21Novembro2017

Araraquara.com.br

Você está aqui: Home Notícias Cultural e Social Festival de Dança se encerra no domingo com programação variada

Festival de Dança se encerra no domingo com programação variada

festivaldanca

A programação do 15º Festival de Dança de Araraquara se encerra no domingo (20), com oficina, intervenção e espetáculo – em programação totalmente gratuita e aberta a quaisquer interessados, numa realização da Secretaria Municipal da Cultura e Fundart, SESC Araraquara e Poiesis através da Oficina Cultural Sérgio Buarque de Holanda.

 

Às 13h30, a atriz e bailarina araraquarense Carol Gierwiatowski ministra a oficina “Expressividade, coreografia e imagens do corpo em cena”. A atividade acontece no Teatro Municipal, com 15 vagas - as inscrições foram realizadas previamente e, caso haja desistência, a vaga poderá ser preenchida.

A programação tem continuidade no Teatro Municipal com a bailarina Lilian Penteado que apresenta a intervenção “The artist is dead” a partir das 17 horas. Lilian, bailarina atuante na cena cultural de Araraquara, deve executar seu trabalho no intervalo entre a oficina e o espetáculo que será apresentado às 20h. “The artist is dead é uma intervenção... eu diria até uma instalação. Eu parafraseei a Marina Abramovic: ela tem uma performance chamada ‘The artist is present’. É uma pequena provocação”, adianta a bailarina que é arquiteta e urbanista e é apaixonada por performance e artes do corpo.

A Cabine– “A Cabine”, a nova montagem do Núcleo Desastre, sob direção de Bruno Rudolf, encerra a programação do Festival, com apresentação no Teatro Municipal às 20 horas. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados no dia da apresentação, a partir das 13 horas, na bilheteria do teatro.

O espetáculo é um trabalho cênico de artes integradas que reúne dança e circo, com duas personagens confinadas em uma cabine onde surgem imagens, pequenas ações e microrrelatos que se tecem e se desfazem.

A dupla fala sobre o normal e o anormal, mas sem deixar claro qual é qual. “Fala-se sobre aquele que vê e aquele que é visto, sobre seus diferentes pontos de vista, e sobre a confusão desses dois lugares. Fala-se sobre o que existe de ordinário na anormalidade, e sobre o que existe de extraordinário na normalidade. Fala-se, sobretudo, do acolhimento de se sentir parte, do afeto que vem da cumplicidade, da troca de segredos e da confiança”, destaca Rudolf.

O espetáculo inspira-se no nome dado a coleções bastante típicas entre os anos 1500 e 1800 na Europa (também conhecidas como Câmara das Maravilhas) que consistiam em salas ou câmaras localizadas nos palácios ou em residências de aristocratas em que se guardavam e se expunham objetos - ou seres - que não podiam ser explicados pela ciência da época. A curiosidade e o fascínio pelo que é inclassificável ou incompreensível na história natural é algo que acompanha o desenvolvimento da humanidade, principalmente na época anterior ao desenvolvimento da ciência moderna.

A investigação cênica das intérpretes Carol Oliveira e Mariana Duarte parte da história de mulheres reais que eram apresentadas como atrações nos anos 1800, como Júlia Pastrana, uma mulher-barbada levada do México para ser atração na Europa; Sara Baartman, ou a "Vênus Hottentot", africana que era exposta como atração por conta de sua forma física e sua cor; as sete irmãs Sutherland, americanas de família pobre transformadas em atração pública por possuírem cabelos muito compridos (cada uma tinha mais de 2 metros de cabelo).

A pesquisa também toma como insumo algumas representações de mulheres-bichos, mulheres-monstro ou mulheres de alguma forma sobrenaturais que estão presentes na obra de artistas visuais mulheres que fizeram parte do contexto do surrealismo, especialmente Leonora Carrington, Remédios Varo e Leonor Fini.

“A Cabine” é um dos resultados do projeto do núcleo que foi contemplado pelo ProAC 44 - Artes Integradas, da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Vale destacar que o Núcleo Desastre foi estabelecido em 2010 e, desde então, vem trabalhando em parceria com o diretor Bruno Rudolf numa pesquisa cênica que se dedica especificamente à temática das representações do feminino e os papéis atribuídos à mulher em diferentes momentos históricos.

Ficha Técnica – “A Cabine”

Concepção: Núcleo Desastre (Carol Oliveira e Mariana Duarte)

Intérpretes-criadoras: Carol Oliveira e Mariana Duarte

Direção: Bruno Rudolf

Produção: Jaqueline Vasconcellos

Orientação de pesquisa coreográfica: Tatiana Guimarães

Figurinos: Lu Bueno e equipe

Trilha sonora: Mariá Portugal

Projeto gráfico: Fernando Sciarra

SERVIÇO:

15º Festival de Dança de Araraquara apresenta:

- 13h30 – Oficina “Expressividade, coreografia e imagens do corpo em Cena”, com Carol Gierwiatowki

- A partir das 17h – Intervenção “The Artist is Dead”, com Lilian Penteado

- 20h: “A Cabine”, com Núcleo Desastre

Local: Teatro Municipal Prefeito Clodoaldo Medina (Av. Bento de Abreu, s/nº - Fonte Luminosa)

Data: domingo (20 de setembro)

Programação gratuita

Folhacidade

imagem012
Araraquara.com.br - O primeiro e melhor portal da cidade, desde 1996.